A recente cobertura da mídia da estrela de Hollywood Jada Pinkett Smith e sua dificuldade de lidar com a alopecia areata trouxe novamente a atenção do mundo para a calvície. Agora, outros atores e celebridades estão falando sobre seus problemas de saúde.

Amy Schumer fez exatamente isso. Ela escondeu sua calvície do restante do mundo por décadas. Ela sofre de tricotilomania, um transtorno de puxar o cabelo, desde seus anos de adolescência, e isso afetou muito a sua saúde mental. Quando a tricotilomania se revela através do dano capilar, ela também acaba sendo um problema mental. Vamos analisar a tricotilomania mais de perto e também a história de Amy.

Como começou?

Em uma entrevista recente, a comediante relembrou seus anos frequentando a escola e sendo motivo de piada pelos seus colegas por conta da aparência. O transtorno de arrancar o cabelo fez com que ela arrancasse tanto, que pontos calvos começaram a aparecer. Ela afirma que “Quando eu tinha 13 anos, arranquei tanto cabelo que precisei usar uma peruca para ir à escola… Era humilhante, e muito difícil.”

O problema piorou tanto, que Amy foi obrigada a comer seu lanche na sala da enfermaria para evitar comentários dos seus colegas. Eram tempos difíceis para Schumer, que agora tem 40 anos e nunca havia falado sobre isso na sua vida.

Durante a época em que ela sofria de tricotilomania, Schumer fez exatamente o que as pessoas que sofrem de calvície fazem: ela ignorou o problema. “Eu estava confiante, sempre tinha um namorado e pensava ‘Todas as pessoas legais não tem cabelo’”, ela disse.

Apenas mais tarde ela resolveu lidar com o problema. Ela afirma que levou um tempo até entender a situação. “Eu pensei que estava tudo bem, e não percebi que não era normal arrancar o cabelo.”

Sua mãe a ajudava com o cabelo pela manhã. Frequentemente, ela chorava por não saber como ajudar a filha. Schumer diz que era assustador pois seus pais não sabiam como abordar a situação. Hoje em dia, ela aceitou sua condução e utiliza extensões capilares para engrossar o cabelo.

A aceitação é o primeiro passo para lidar com a calvície. Amy admite que sente-se mais tranquila sobre a condição e que até incluiu ela em seu último show no Hulu, Life and Beth. “Eu tenho sorte das extensões terem se tornado tão normais”, diz. “Toda mulher que você vê na câmera no filme está usando uma peruca ou acrescentou cabelo extra.”

O que é Tricotilomania e como pode ser tratada?

A Tricotilomania é uma condição de arrancar o cabelo caracterizada pela vontade de puxar o cabelo de diferentes partes do corpo. O resultado são pontos calvos na cabeça, que podem afetar sua confiança e sua aparência.

Existem dois tipos de tricotilomania, especificamente conhecidas como o arrancamento focado e a puxação focada. A gravidade da condição difere entre indivíduos. Em algumas pessoas, ela pode ser controlada com o tempo, mas também pode envolver o arrancamento contínuo e severo de cabelo.

Quais são as causas da Tricotilomania?

As causas da tricotilomania ainda não foram identificadas definitivamente. A condição está ligada ao interrompimento dos caminhos do cérebro responsáveis pelo controle das emoções, hábitos, movimentos corporais, e como você interpreta esses impulsos. Outros fatores envolvidos incluem:

No caso da Amy, arrancar o cabelo pode facilmente se tornar um vício. A melhor forma de tratar é através da Terapia Comportamental Cognitiva (TCC), também conhecida como o treinamento de hábito reverso. Basicamente, esse tipo de terapia pretende substituir o hábito de arrancar cabelo ao identificar os gatilhos dele.

Conclusão

Apesar de condições capilares como a alopecia areata, calvície padrão masculina e calvície pós-parto serem comuns, a tricotilomania também pode provocar calvície. Consulte um especialista capilar para avaliar a sua situação e escolher o tratamento certo para você. A Vinci Hair Clinic oferece uma avaliação gratuita para todos os novos clientes. Marque seu horário ainda hoje!